top of page
  • Foto do escritorAlessandro A. Mazzola

Presença brasileira no maior Congresso de RM do Mundo: ISMRM 2023



Como a Ressonância Magnética pode se tornar mais precisa, acessível e produtiva para todos?

Essa foi parte da temática do 37º Annual Meeting da International Society for Magnetic Resonance in Medicine que ocorreu de 3 a 8 de Junho na cidade de Toronto, Canadá.

Foram 494 aulas, 5416 trabalhos submetidos, feira com muitos fabricantes de equipamentos e acessórios de RM, assim como sessões plenárias com os temas mais atuais da área.

Alguns números deste que é o maior congresso de RM do mundo:

  • Participantes Presenciais: 5445

  • Participantes Online: mais de 627

  • 1200 participantes pela primeira vez no ISMRM! Os chamados newbies!


Os destaques na programação ficaram por conta:


Minicursos Educacionais Pré-Congresso

A programação inicia no sábado e domingo com aulas organizadas por temas diversos e que possuem característica educacional, ou seja, são organizadas no formato de um minicurso.

Atividades da International Society for MR Radiographers & Technologists (ISMRT)

O ISMRT participa com uma programação exclusiva de três dias dedicada aos operadores e profissionais atuantes em Ressonância Magnética.


Plenary Lectures

São seis plenárias distribuídas em cinco dias com temas centrais compartilhados com um ou mais palestrantes. Três dessas recebem o nome de três prêmios Nobel da RM: Peter Mansfield, Paul Lauterbur e Richard Ernest.


Mais Acessibilidade a Ressonância Magnética

Uma das sessões plenárias mais interessantes trouxe as ações de diferentes continentes para dar mais acesso a RM.

Quatro regiões foram destacadas, cada uma delas discutindo necessidades locais específicas (de ângulos complementares), como essas necessidades estão sendo abordadas agora e onde estão as lacunas atuais para o esforço futuro

- Sudeste Asiático: Clínico

- Sul da Ásia: Infraestrutura

- África Subsaariana: Social/educacional

- América Latina: Comunidade


Os números de acesso da população a exames de RM variam bastante em cada referência, mas pelo menos 60% da população mundial não tem acesso a RM. Alguns países da África não possuem sequer um equipamento de RM e isso precisa mudar. Tornar a RM mais acessível para contribuir com a melhoria geral da saúde da população é uma das metas da ISMRM.



Simpósios de Almoço dos Fabricantes de Equipamentos

Foram cinco "Lunch Symposium" realizados pela United Imaging, GE Healthcare, Siemens Healthineers, Philips Healthcare e Canon Medical.


Inteligência Artificial

Obviamente o tema das diferentes aplicações da inteligência artificial e o impacto não só para aumento de produtividade, mas também para análise de imagens de RM foram um grande destaque em toda a programação científica e comercial.

A GE Healthcare lançou o SONIC DL, ferramenta de aprendizado profundo (Deep Learning) para exames cardíacos que permite redução de tempo de aquisição de imagens cine em até 83%.

A Siemens mostrou resultados da aplicação do Deep Resolve Boost, a Philips também mostrou resultados e aplicações do Smart Exam que combina técnicas de Compressed SENSE com Deep Learning e a Canon mostrou o PIQE (Precise IQ Engine), evolução do AICE que agora permite também melhoria na resolução espacial das imagens de RM.


Sustentabilidade, Consumo de Energia e Menos Hélio Líquido

A preocupação com a sustentabilidade, menor consumo de energia, menor ou zero consumo de hélio líquido e maior produtividade envolve tudo o que os fabricantes mostraram, mas também inovações no alto e baixo campo.

Uma aula muito interessante do pesquisador da GE, Thomas Foo, mostrou as tecnologias de magnetos supercondutores preenchidos com hélio até magnetos livres de hélio, os chamados magnetos refrigerados por condução, que utilizam o cobre como condutor para as trocas de calor entre a bobina supercondutora principal e o cold head.

RM quantitativa

A busca por biomarcadores através das técnicas de RM fez com que técnicas quantitativas ganhassem um turbo nos últimos anos. Neste ISMRM, ficou claro que a hora chegou: quantificar está em alta! Vimos muitos trabalhos utilizando o Quantitative Susceptibility Mapping (ou QSM) que visa quantificar a distribuição espacial da susceptibilidade dos tecidos. Também as sequencias com pulso de Transferência de Magnetização (MT) para quantificar os diferentes estados do spin de hidrogenio, livre ou restrito, alem de mapas de T1, T2 e T2*.


Padronização na RM

Caminhando paralelamente a quantificação, torna-se necessário um padrão para que todos possam medir a mesma coisa em todo equipamento, em qualquer lugar. Esse é o maior desafio da RM desde seu princípio, ainda com a abordagem qualitativa de imagens. Com o conceito quantitativo em alta, a sociedade está na busca ativa de modelos que permitam aproximar os resultados e validações, criando protocolos padrões para aquisição e processamento de dados.


Presença de Brasileiros



Pela primeira vez o ISMRT organizou uma sessão exclusiva para participantes de língua portuguesa. A sessão faz parte de uma iniciativa da ISMRT de criar as chamadas "Multilingual Sessions". Houveram outras sessões de Chinês, Espanhol, Francês e Japonês.

No caso da sessão em língua portuguesa os moderadores foram a Biomédica Dra. Liana Guerra Sanches e o Físico Médico Khalil Taverna que propuseram o divertido tema "Além da Caipirinha e do Bacalhau: delícias em PortuguIes. Os palestrantes e temas foram:

  • Bons Ingredientes fazem Bons Pratos: Programação de Sequências de Pulso de Código Aberto, da pesquisadora Rita Nunes, de Portugal.

  • Uma Verdadeira Entrada: Rm Pré-Clínica, com a brasileira Dra. Aurea Martins Bach que atualmente trabalha em Oxford, Reino Unido.

  • Criando Pratos Exclusivos do Chef: RM na Prática Clínica, com o Físico Médico Alessandro A. Mazzola, de Porto Alegre, RS.


Sessão de Mama

O médico radiologista Dr. Almir Bitencourt, do Hospital AC Camargo de São Paulo e DASA participou como moderador da sessão MRI in Breast Cancer: Update & New Approaches Toward Diagnosis & Treatment.



Sessão de ASL

O Físico Dr. André Monteiro Paschoal da Universidade de Campinas (UNICAMP) palestrou sobre "Arterial Spin Labeling: Modeling".


Apresentação de Trabalhos


Físico Daniel Papoti, atualmente na Universidade de Pittsburgh, apresentou:

"Design and construction of a 14-channel receive-only array for high resolution MRI of marmosets’ brain at 9.4T"

Físico Bruno Hebling Vieira, atualmente na Universidade de Zurich, apresentou:

"On the prediction of cognitive impairment trajectories from anatomical MRI in ADNI: preliminary results"

Físico Dr. Icaro Oliveira, atualmente na University Heatlh Network de Toronto apresentou: "Improved perfusion-weighted images at 7T combining pTx and low B1+ adiabatic pulses."


Mais brasileiros inscritos e assistindo a programação:

Dr. Leonardo Kayat, atualmente na Univ

Dra. Claudia da Costa Leite

Dra. Maria Concepcion Otaduy


E ano que vem tem mais! Singapura nos espera!


Commentaires


bottom of page