top of page
  • Foto do escritorAlessandro A. Mazzola

3 anos da morte do professor Sir Mansfield, ganhador do Prêmio Nobel

Neste 8 de fevereiro completam-se três anos do falecimento do professor Sir Peter Mansfield. Para lembrarmos a importância de seu legado para a história da medicina, recordamos este artigo da Universidade de Nottingham (Reino Unido), local onde atuou como professor e pesquisador. Confira:


Homenagens ao professor Sir Peter Mansfield

9/02/2017



Homenagens foram realizadas ao professor Sir Peter Mansfield, ganhador do Prêmio Nobel, que morreu aos 83 anos.


Sir Peter foi pioneiro na criação da Imagem por Ressonância Magnética (MRI ou, simplesmente, RM), uma das descobertas mais importantes e revolucionárias da ciência médica moderna.


Ele recebeu o Prêmio Nobel de Fisiologia ou Medicina em 2003 por seu papel no desenvolvimento da ressonância magnética, hoje usada em pesquisa, diagnóstico e tratamento de milhões de pacientes em todo o mundo.


O Centro de Imagem Sir Peter Mansfield, Universidade de Nottingham, foi nomeado em homenagem ao seu trabalho pioneiro em mudar a face da medicina moderna.

A família de Sir Peter disse hoje:

“É com muita tristeza que Lady Mansfield e sua família gostariam de anunciar a morte de Sir Peter, na noite de quarta-feira, 8 de fevereiro. Além de ser um eminente cientista e pioneiro em seu campo, ele também era um marido, pai e avô amoroso e dedicado, que fará muita falta para toda a família".

Sir Peter nasceu em Londres em 1933, ingressando na Universidade de Nottingham como professor de física em 1964.


Juntamente com o falecido Paul Lauterbur, Sir Peter utilizou a ressonância magnética nuclear (RMN) para visualizar a estrutura interna de objetos complexos. Em 1976, eles produziram a primeira imagem de RMN humana, um dedo completo com osso, medula óssea, nervos e artérias. Dois anos depois, Sir Peter se tornou a primeira pessoa a entrar no primeiro scanner de corpo inteiro, para que pudesse ser testado em seres humanos - apesar dos avisos de que poderia ser potencialmente perigoso.



Suas pesquisas revolucionaram o mundo da medicina diagnóstica e, em 2003, receberam aplausos do mundo quando compartilharam o Prêmio Nobel de Fisiologia ou Medicina. Sua longa carreira também incluiu muitos outros prêmios distintos, como cavalaria, medalha do MRC Millennium, bolsa da Royal Society e vários diplomas honorários.


Sir Peter atuou na Universidade de Nottingham por toda a sua carreira, aposentando-se em 1994. Foi professor emérito e continuou a colaborar com colegas do Centro de Imagem Sir Peter Mansfield da Universidade de Nottingham, mantendo-se apaixonado por seu trabalho.



Somente no mês passado, ele se juntou a colegas no University Park para comemorar o 25º aniversário da abertura do Centro no campus.


Um legado extraordinário


O professor Sir David Greenaway, vice-chanceler da Universidade [de Nottingham], prestou homenagem ao pioneiro da ressonância magnética:

“Poucas pessoas podem olhar para trás em uma carreira e concluir que mudaram o mundo. Na ressonância magnética pioneira foi exatamente isso que Sir Peter Mansfield fez, ele mudou nosso mundo para melhor. Como líder científico e um colega altamente valorizado, ele fará muita falta em nossa Universidade. Mas deixou um legado extraordinário que continuará a inspirar outras pessoas a mudar o mundo.”


O professor Peter Morris CBE era um jovem estudante de doutorado quando trabalhou com Sir Peter e o conhecia há mais de 40 anos. Morris, que ainda trabalha na Escola de Física e Astronomia, disse:

“Hoje, a ressonância magnética perdeu a rocha sobre a qual foi fundada. A pesquisa pioneira de Sir Peter revolucionou a medicina diagnóstica e todos nós sentimos seus benefícios. Ele tem sido a influência definidora na minha vida como supervisor, colega e amigo. Não veremos o seu gosto novamente."


A invenção de Sir Peter de uma técnica de ressonância magnética extremamente rápida, conhecida como imagem eco-planar (EPI), sustenta as aplicações de ressonância magnética mais sofisticadas usadas atualmente. A EPI é a chave para a ressonância magnética funcional (fMRI), usada para estudar processos dinâmicos em organismos vivos. Antes da EPI, a fMRI era lenta e difícil de ser usada clinicamente. Seu advento acelerou a aquisição de imagens e, portanto, sustenta todas as aplicações modernas de fMRI e outras, como difusão.


A ressonância magnética e a ressonância magnética funcional transformaram a pesquisa em neurociência e fisiologia, abrindo janelas para o cérebro e o corpo em funcionamento. A RM fornece imagens detalhadas da estrutura anatômica e pode detectar câncer e sinais de danos nos ossos, tecidos e órgãos do corpo. A RMf permite que os médicos estudem a atividade cerebral durante o desenvolvimento, após lesões e em distúrbios cerebrais.


Também foram usadas para investigar como as redes neurais do cérebro se desenvolvem durante a infância e para procurar anormalidades sutis na atividade cerebral em pacientes com distúrbios, incluindo transtorno de déficit de atenção e hiperatividade, esquizofrenia e doença de Alzheimer.


Sir Peter deixa sua esposa, Lady Mansfield, suas duas filhas e quatro netos.


---


Leia o artigo em inglês aqui.


E Na Plataforma MRIONLINE os usuários podem acessar a Pasta MRIONLINE e buscar pela categoria #história que deixamos nesta mesma data, no ano passado, um outro texto sobre o legado de Sir Peter Mansfield.




AVISO

MRIONLINE® Todos os direitos reservados. Todos os textos, imagens, gráficos, arquivos de som, arquivos de animação, arquivos de vídeo e sua disposição em sites na Internet da MRIONLINE estão protegidos por direitos autorais e de propriedade intelectual. Esses objetos não podem ser copiados para uso comercial ou distribuição, nem podem ser modificados ou republicados.

Comentarios


bottom of page